SAUDADES DAS AREIAS BRANCAS SERGIPANAS

PAULO FALCÃO

As luzes das casas, das ruas e dos carros tão distantes desapareciam a cada segundo. A terra apequenava-se e o avião levava-me de volta para outras luzes, ainda mais remotas. Naquele momento, a primeira gota de saudade fora derramada e, ao mesmo tempo, encarecia a certeza de que em breve sentiria saudades da leveza e da maciez das areias brancas sergipanas, que acariciaram a cada passada à minha alma. 

O sol tocava a terra e anunciava os meus últimos momentos naquelas águas verdes salgadas. A suprema estrela poente despedia-se, ressaltando, por meios de seus raios alaranjados, todas as lembranças que emergiram de repente em minha mente e me fizeram pensar: valeu a pena.

A rajada de vento foi a mensagem principal da mudança de tempo, porém, a vontade de capturar o cobiçado Robalo Flecha, aliada a condição humana de ignorar os fatos e persistir no desejo, resultou em muitas horas sem ações. Após muito tempo sem capturas, nós mudamos a estratégia e optamos por peixes menores: pescar com os plugs nas galhadas. Já nos primeiros toques de ponta de vara a isca fora atacada por um peixe, é impressionante, o stick sempre provoca os robalos. Em pouco tempo, final da vazante, capturamos muitos Robalos, Flechas e Pevas.

A natureza sempre impõe a sua condição, ou melhor, a natureza sempre transmite o seu ensino; e isso é fato consumado, portanto, tonar-se fundamental adaptar- se a ela, apreender seus ensinamentos e, sobretudo, respeitar as suas condições.

Mas, ao mesmo tempo, a implacável natureza é capaz de compartilhar as suas preciosidades e soltar aquele peixe foi uma sensação incrível. O exausto Robalo saiu de minhas mãos devagar, a sua nadadeira dorsal e o seu rabo amarelado cortavam a superfície da água quando eu lembrei-me da fala entusiasmada do capitão Marcos Seabra ao o embarcarmos: é nosso, é nosso! Lembrei-me do momento da fisgada, que de tão forte parecia um enrosco. Lembrei-me, de maneira especial, das furiosas disparadas que fritaram a fricção da minha carretilha; as arrancadas do Robalão são incríveis.

Durante a briga o Robalo parava por alguns instantes, depois disparava com ferocidade, dizem que tal pausa é para recuperar as suas forças, mas tenho as minhas dúvidas sobre isso. Ao meu modo de ver, o Robalo Flecha, sendo inteligente e astuto como o é, cessa suas arrancadas para pensar como escapar e tenta, ardilosamente, enganar o pescador, ele é um estrategista.

Lembrei-me das laçadas realizadas para aquele nó, as quais não atavam apenas uma linha à outra, além disso, aquele “ritual” que precedeu a pescaria atara o meu espírito ao interior inexplicável e inexorável da natureza selvagem. Os últimos preparativos davam origem a difusos enleios e, foi assim, envolvido por diversos sentimentos e acompanhado pelos sons das batidas das ondas nas pedras que eu fora dormir.

Era impossível identificar no horizonte quando terminara o mar e começara o céu. O azul de um mesclava-se com o azul do outro e tudo parecia uma coisa só: sem início, meio e fim. Nesse momento, ficara para trás toda a rotina acumulada, as nuvens acinzentadas e pesadas, o desespero e os anseios. Eu tinha plena convicção e o sentimento de que levara comigo apenas os devaneios. Os meus olhos enchiam-se de esperança e faziam a minha alma imaginar como seria pisar nas areias brancas sergipanas, faziam-me sonhar, a caminho de Aracajú, como seria ter em minhas mãos o almejado rei de prata.
______________________

¹ – Nessa pescaria eu capturei o maior robalo flecha de minha vida.
² – Marcos Seabra – excelente Capitão da equipe Sergipe Sport Fishing – www.sergipesportfishing.com.br
* – Equipamentos utilizados: Varas Custom by Renato Badejo (MIRAGUAIA) – Blank Jigging Master – 6’5”, 22lbs – Blank St. Croix 5’10”, 17lbs e Blank St. Croix 5’10” 14lbs. Carretilhas de perfil baixo. Linhas de 25 e 30 libras de Multifilamento. Leader de Fluorocarbono de 25lbs e 50lbs. Iscas: Camarão artificial (jighead) e plugs de superfície e meia água.

Vídeos recentes